quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

futilidades por fim, fim de ano e fim de década

- Passei alguns dias a tentar fazer frases espontâneas, a tentar mostrar mais de mim bem como desabafar de forma original apesar de copiar por um amigo meu, mas desisti porque tinha que dizer nomes de pessoas e tudo iria incidir em amizades, em significados, em sentimentos e até para mim é monótono ser tão emotiva.
- De facto, pensando na última década, é assustador como o tempo passa tão depressa. Desde o último dia do infantário que adorei porque eram os meus anos passando pelo desastroso primeiro dia de aulas em que me fartei de chorar porque não queria ir e acabei por gostar da professora e aos poucos conhecendo os meus colegas sendo que alguns ainda estão comigo hoje, até agora em que tenho a maioria dos meus amigos de coração ora fora do liceu, ora na faculdade, ora fora de Paços e que em tudo o que faço na escola e muita coisa fora são apenas preparativos para uma futura carreira, um futuro emprego, uma futura vida que cada vez mais se aproxima. (de 1999 até 2009)
- E aí também aprendi o que era estar triste (5º ano), aprendi a pensar de maneira diferente(8º/9º ano), aprendi a estudar (10º ano - é verdade o que dizem) e sobretudo convivi com pessoas fantásticas... Algumas às quais agradeço por terem saído e outras por apenas terem passado e marcado a diferença. Depois de 3 meses em que tive que me aturar sozinha, consegui adaptar-me. Consigo agora não depender de tudo e de todos e não depender dos outros para saber quem sou. Não posso agarrar-me às pessoas só porque não aceito a mudança. Aliás devo deixá-las ir porque é assim que mudança actua e porque a vida já é em si mesma passageira.
- Sim, isto são tudo merdinhas de rapariga, mas é assim que uma pessoa cresce. É pensando, é sentindo, e depois se for fora de tempo logo se vê. O que é certo é que todos passamos por isso, toda a gente, durante a vida toda e mais frequentemente do que aquilo que alguns julgam.
- Hoje é o último dia deste ano e desta década. Pensando em 10 anos mexe muito mais do que num só, sem querer tirar valor a tanta coisa importante que aconteceu este ano. Escrever para mim deixou de ter o mesmo significado porque sei que quem eu quero que leia não lê e quem lê não diz nada depois. Anyway, aconselho viver um dia de cada vez, devagar, aproveitando tudinho. Quando discutirem, que seja por causa do futuro porque é o que todos os dias preparamos. Descobrir todos os dias mais um bocadinho do que somos porque é o que todos os dias pensamos. Nunca esquecer de onde vimos, sem nos agarrarmos ao que já lá vai. Temos que ter noção da vida sem ficar preso um advérbio de tempo ou num nome que se dá a um espaço.
- Quero dizer muito mais, quero que seja reconhecida paz mundial e que o Homem ganhe bom senso e se preocupe com o planeta. Quero dizer às pessoas que amo que as amo e que as adoro sem me lembrar da distância e sem medo que elas pensem em segundas intenções. Quero que as pessoas façam o favor de serem felizes porque é para isso que cá estamos e passamos maior parte do tempo a queixarmo-nos e depois claro que tudo resulta no oposto. Muitos beijos, ainda mais abraços e apertadinhos! Votos de entradas com o pé direito, o esquerdo e o nis, seja qual for a melhor maneira de entrar em 2010...


(música batida que traz um sentimento de paz interior, de expectativa e de felicidade que só quero que nunca acabe)

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

msg de Natal

"P.S.: Obrigada por contribuires, de alguma maneira, para um ano melhor :)"

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

hoje

*soube igual ao que era

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

alegriaaaaaaaaaaaaaaaaaa

eu sinto: obrigado só por existirem. sinto saudades mesmo rapidamente.

domingo, 13 de dezembro de 2009

domingo, 6 de dezembro de 2009

,




vivo eternamente com saudades. qual é a cura disso, sr. doutor?

sábado, 28 de novembro de 2009

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

sábado, 7 de novembro de 2009

Last Kiss

"When I woke up, the rain was pouring down,
There were people standing all around.
Something warm flowing through my eyes,
But somehow I found my baby that night.
I lifted her head, she looked at me and said;
"Hold me darling just a little while."
I held her close I kissed her - our last kiss,
I found the love that I knew I had missed.
Well now she's gone even though I hold her tight,
I lost my love, my life that night.

Oh where, oh where, can my baby be?
The Lord took her away from me.
She's gone to heaven so I've got to be good,
So I can see my baby when I leave this world."
(Last Kiss - Pearl Jam)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

qualquer coisa ensarilhada

tem tudo que fazer sentido? uma equação, uma força, uma mitose? um desejo, um gesto, uma realidade? está tudo tão vazio, tão disperso, tão diferente.

uns dias, uns meses, uns anos, fazem diferença? fazem se quiseres, fazem se não quiseres, fazem sempre alguma coisa

uma turma, dois anos, um ciclo. tem necessáriamente de ser especial, fantástico, espectacular? tem, se não tiveres outra opção.
- ainda mal, não acho piada a equações impossíveis.

sábado, 31 de outubro de 2009

15 min e nada mais

(música de gaja requer sentimento à gaja)

ás vezes, quando a vida parece ser uma seca, quando nada nos motiva a ir para as aulas, quando aqueles que mais gostamos não estão por perto. vem um dia ou outro em que por magia tudo volta ao sítio, tudo parece como antigamente e recuperamos forças, para continuar. obrigada L
(infelizmente, ás vezes só se confirma que a distância não traz só saudades, mas também mudanças. é a vida)

sábado, 24 de outubro de 2009

ontem

2 anos são 731 dias,
com 104 fins de semana,
com 104 terças-feiras,
com 104 quintas-feiras.
És mais do que um namorado,
mais do que próximo,
fazes parte, grande grande parte.
E deixas-me sem palavras.
A única que me surge é:
amo-te.

domingo, 11 de outubro de 2009

ainda agora começou o ano mas...

"Sabes que morro
pelo fim de semana
morro de fome
pelo fim de semana
fome de sair
fome de te ver
fome de saltar
fome de te ter
fome de voar
fome de cair
fome de te amar
p'ra depois viver"


Xutos & Pontapés - "Fim de semana"

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

um ano do desabafo (foi o que saiu)


ainda me lembro daquele dia que foi quase perfeito. as saudades que eu tenho do ano passado, daquelas gentes, daqueles convivios, daquelas alegrias. é nestas alturas que se sente o tempo, que tudo voa, até as pessoas. é sempre as listas, é sempre lloret, é sempre o baile. é sempre um ano de finalista. quanto mais esse se aproxima de mim, mais quero que se afaste ou que passe de uma vez por todas para acabar com isto. prevejo mesinhos e aninhos de merda, por isso, desejem-me sorte.


(nunca mais me irei esquecer de vocês)

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

can you feel it?

Summertime and the livin' is easy
Fish are jumpin' and the cotton is fine
Oh your Daddy's rich and your ma is good lookin'
So hush little baby, don't you cry

One of these mornings
You're goin' to rise up singing
Then you'll spread your wings
And you'll take the sky
But till that morning
There's a nothin' can harm you
With daddy and mammy standin' by

"Summertime" - Billie Holiday and Louis Armstrong (não encontrei o video)

domingo, 27 de setembro de 2009

**


- Já te disse que te amo?

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

I'm free




"Freedom is just another word /
for nothing else to loose."
Janis Joplin - "Me and Bobby McGee"

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

último dia de férias


Este post era para ser publicado a 05.06.2009. Desde então que as palavras continuam sem fluir e até lá tinha sido o mesmo filme. E escrever começa a ser inútil quer no seu corpo, quer na minha alma porque é como se não existisse.

Acho que tentei, sinto que tentei que este ano fosse melhor do que todos os outros. Sinto aquela tristeza forte que invade os afilhados que mal conhecem as madrinhas e os padrinhos da faculdade. É um fim para uns e um início para outros. São apenas sentimentos opostos e apenas o são porque cada um agarra o que mais marca e cada um agarra o que mais anseia. E aí questiona-se: será que foi tudo verdadeiro?
Gosto de pensar que aprendi muito convosco, que valeu tudo a pena, mesmo que assim não tenha sido; que faria muita coisa diferente mas que não mudaria nada. Eu já não sei nada e acho que nunca soube. E como nunca conseguirei descrever o que sinto, espero um dia por um abraço que o diga, um adoro-te sincero segredado e um brilho no sorriso que ficará marcado.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

cheguei

nova paixão - surf

sábado, 22 de agosto de 2009

algarve



"Ó vizinho então adeus,
vou cuidar de sonhos meus,
que eu não sei falar de amor..."

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

.... you


Dar para receber.
(nem sempre é assim)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

vacations


Chegam as férias e até o nosso cérebro encerra para remodelação. A nossa imaginação só se exprime nos sonhos. O corpo tem encontro marcado diáriamente com o sofá. Os amigos tanto parecem muitos, como poucos; tanto estão connosco, como não. E depois adiam-se os encontros e acumulam-se fotografias de simples saídas de casa pela tarde. O sol faz com que tudo brilhe de maneira diferente. E eu canso-me de casa porque tenho problemas comigo própria em relação às saídas. E a felicidade torna-se tão relativa. Um dia de praia calha sempre bem mas uma tarde com o namorado é o que me faz mais feliz. Dois meses de férias e a minha escrita é nada mais do que uma mantinha de retalhos, em que nada faz sentido em conjunto. Mas também, o que faz sentido nas férias? (ou na minha cabeça?)

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

domingo, 9 de agosto de 2009

sexta-feira, 31 de julho de 2009

PdC 09



(foto de Álvaro C. Pereira)


Um dos melhores dias da minha vida.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

you're drivin' me crazy


Se eu fosse um animal, e se eu pudesse escolher qual animal seria, sem dúvida que seria um gato.
(já agora aceito sugestões de nome para este fofo que está na foto)

sexta-feira, 17 de julho de 2009

quinta-feira, 16 de julho de 2009

filosofia a estas horas?, foi o que calhou

Hoje em dia, a sociedade (jovem) exerce uma pressão social enorme. Não é para atribuir culpas mas isto sente-se muito devido ao hi5, facebook e esse tipo de comunidades em que somos expostos (claro que é porque queremos) quer físicamente quer psicológicamente muito ou pouco variando com as pessoas. De facto, o primeiro objectivo destas comunidades era alargar horizontes no sentido de conhecer pessoas e todo o conhecimento no qual esteja envolvido. Então, facilmente podemos falar em "amizade". Porque falamos com este e aquele e até nos demos bem, porque aquele/a foi querido/a em dizer isto e aquilo e ficamos assim num mundo de ilusão que sabe tão bem.
Nunca as palavras importantes tinham sido tão banalizadas. Desde "amo-te" até "amigo", passando por "amor" ou "irmão" e restantes parentescos ou relações (maridos, amantes, etc) que atribuímos às pessoas como se pudessemos construir a nossa própria família. E tudo para quê? Fazer amigos? Ser mais feliz? Pois bem, o mundo é tudo menos cor-de-rosa e nós só vemos o que o nosso estado de espírito nos permite ver.
Com as ilusões o que se segue? As desilusões. - claro! Temos que voltar à realidade. - e como tal vêm os sentimentos e as nostalgias, obviamente depois de choradeiras no caso das raparigas e por fim, chegam as saudades. Maior parte das pessoas que nos deixam, por muito marcantes, muita história, muito sentimento e muita ilusão (cor-de-rosinhice) não deixam saudades. Porque há quem queira sair, senão não havia mal entendidos ou falta de compreensão. (Amigo é amigo e o resto é cagativo.) Haveria verdade e confrontos, nada de medos. Mas se não passarmos por estas situações agora, passamos uns anos mais tarde. É igual mas começamos a aprender a distinguir amigos do resto das pessoas. E como qualquer aprendizagem, cometemos erros e é com estes que aprendemos.
Isto para te dizer que eu estou a aprender, como toda a gente. Não porque ando na escola (também, mas...) mas porque acontecem-me situações más como toda a gente. Não sei tudo, mas também ninguém sabe tudo. E lá porque perdoamos alguém ou voltamos a conversar com alguém que já nos fez passar um mau bocado, não significa que dias depois venha tudo aos abraços e aquelas palavras agora banais dos "melhores amigos" e "amo-te"s e afins. Por isso, não te preocupes. (o resto não ligues, porque tinha que introduzir o assunto e aproveitei para dizer mais umas coisitas)

terça-feira, 14 de julho de 2009

coisas de gaja

"-Vai ser espectacular, vai ser lindo, vai ser perfeito! Faltam 4 meses."
(...)
"-O tempo parece que não passa! Mas já só faltam 85 dias."
(...)
"-Já falta pouco! Pelo menos, já faltou mais. Mas ainda falta uma semana."
(...)
"-Ai, que bom! É já amanhã!"
(...)
"-Faltam minutos. Só espero que corra tudo bem, tem de ser perfeito."
(...)
"-Já cá estou. Pensamento do dia: aproveitar ao máximo!"
(...)
"-Falta pouco para acabar, mas é melhor nem pensar nisso."
(...)
"-Já estou em casa, já acabou..."
(...)
"-Sim sim, foi muito giro! Como o tempo passa depressa, já foi na semana passada."
(...)
"-Claro que me lembro disso. Nem acredito que já fez um mês."
(...)
"-Olha, sabes que dia é amanhã? Sim, faz um ano."


Isto porque não vale a pena contagens decrescentes ou grandes expectativas, atenção só quando fazemos anos, evitar aquela pessoa por causa daquele mal-entendido, esquecer as pessoas só porque achamos o nosso relacionamento com elas nunca nada irá mudar. Às vezes queremos mas não aproveitamos o tempo ao máximo porque faltou falar com aquele amigo ou remendar aquele erro. O tempo passa mesmo depressa. E agora, o que fazemos?

sábado, 11 de julho de 2009

- domingo é que vai for!



sinto-me bem, tenho os meus meninos, tenho elas e até os conhecidos me fazem sorrir. Sebastianas alé :)

domingo, 5 de julho de 2009

quinta-feira, 2 de julho de 2009

friends therapy

G. J. G. C. B. R. M. D. J.R. R. P. B.




sinto-me bem.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

something is missing




"There are many things that I would like to say to you
But I don't know how

Because maybe
You're gonna be the one that saves me"
(...)
Oasis - Wonderwall

segunda-feira, 22 de junho de 2009

saudades

Eu sei que é inútil o que vou escrever pois só eu sei quem me marcou mas eu tenho saudades das pessoas. As das férias passadas e as das anteriores, as de dentro da turma, as que já foram da turma, as de fora da turma e as de fora do liceu. Tenho saudades de ouvir ou ler certas e determinadas palavras ditas por certas e determinadas pessoas ou simplesmente de lhes falar e de as ouvir.
São os intervalos entre as aulas aqueles minutos que eu vou sentir mais falta neste presente e futuro bem próximo. De encontrar quem quero com um simples lance de olhos ou poucos passos. Porque às vezes sabe melhor apenas olhar e ver aqueles que nos são importantes, mesmo que só seja dito um "olá" e venha também um sorriso e um olhar terno ou malandro que nos lembra que também somos alguma coisa para alguém.
Os sentimentos nunca serão explicados porque as palavras são meros pensamentos sob a forma de conjuntos de letras com a função de transportar ideias. E se o ar não é proprício a esse transporte? É dificil saber se vale a pena, se o ar está nas condições para se dar esse transporte. E apesar da vida ser só uma, nós, as pessoas, temos tendência a poluir o ar.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

quarta-feira, 10 de junho de 2009

segunda-feira, 1 de junho de 2009

sweet 16



"Sinto mais do que preciso
Perco a voz, ganho juízo
E quem fui, eu não sou mais
Mudam gostos, ganho peso
Perco medos e cabelo
E quem fui, eu não sou mais"


Antes e depois - Klepht

domingo, 31 de maio de 2009

*







meu maior de idade. meu namorado. meu amor. Amo-te C:

quarta-feira, 20 de maio de 2009

-antes e depois pt.1

"- Quem és tu?
- Samica alguém. "


(*samica - talvez)

sexta-feira, 15 de maio de 2009

dias são dias **



A Raquel disse-me: "-Estou na mesma posição que tu.
Sei da realidade, mas estou noutro mundo."

terça-feira, 12 de maio de 2009

eu vi, mas não agarrei


(o aniversário está a chegar)

segunda-feira, 11 de maio de 2009

quinta-feira, 7 de maio de 2009

aulas de Português pt. 5

Viver sempre também cansa

"Viver sempre também cansa.

O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinzento, negro, quase-verde...
Mas nunca tem a cor inesperada.

O mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas,ér frutos e pássaros
como máquinas verdes.

As paisagens também não se transformam.
Não cai neve vermelha,
não há flores que voem,
a lua não tem olhos
e ninguém vai pintar olhos à lua.

Tudo é igual, mecânico e exacto.

Ainda por cima, os homens são homens.
Soluçam, bebem, riem e digerem
sem imaginação.

E há bairros miseráveis sempre os mesmos,
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe,
automóveis de corrida...

E obrigam-me a viver até à Morte!

Pois não era mais humano
morrer por um bocadinho,
de vez em quando,
e recomeçar depois,
achando tudo mais novo?

Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,
morrer em cima dum divã
com a cabeça sobre uma almofada,
confiante e sereno por saber
que tu velavas, meu amor do Norte.

Quando viessem perguntar por mim,
havias de dizer com teu sorriso
onde arde um coração em melodia:
"Matou-se esta manhã.
Agora não o vou ressuscitar
por uma bagatela."

E virias depois, suavemente,
velas por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo..."

José Gomes Ferreira

quarta-feira, 6 de maio de 2009

"menina bonita"


"Quando eu te vejo,
sinto saudades:
dos teus dias quentes,
e de tempestade"

Fico à espera que um sonho se realize ou que um santo caia do altar. Mas espero que tudo fique bem, bem como já podia estar.

sábado, 2 de maio de 2009

sexta-feira, 1 de maio de 2009

há exactamente um ano...



RP: - Olha ali um tapete!
AM: - Onde?
RP: - Ali, um tapete.
AM: - Ah. Olha ali um tapete!
Inicio das Cocacólicas Anónimas.

domingo, 26 de abril de 2009

arrumar o quarto


Nunca tinha pensado que arrumar o quarto fosse um remédio para as confusões da nossa cabeça ou uma espécie de calmante. Chega até a mudar o nosso estado de espírito! Mas... mergulhamos em memórias; em histórias tão passadas que o próprio passado deixou de as passar regularmente no nosso pensamento. E eu só vejo papel. Papel com tinta disposta de uma certa forma. E o que leio? Amarguras; e tentativas de dedicatórias; e tentativas de cartas que iriam resolver tudo o que poderia existir de errado. E agora é estranho como tudo faz sentido: as cartas não enviadas só estão bem onde estão, aqui. Os seus destinatários, entretanto com os anos, nada fizeram para ter o direito de as ler quer fosse uma leitura com um fim (como antes), ou uma leitura por simpatia do momento. Faz sentido não mandar, muito menos agora que já ninguém se lembra disso; as dedicatórias só nos lembram que as pessoas às quais tentamos escrever tantas vezes ainda não sabem o quanto nos são importantes. Ainda há coisas que não mudam, poucas mas ainda as há. E são essas às quais devemos dar valor, enquanto podemos. E hei-de conseguir emparelhar o sentimento com a palavra, só para essas pessoas; e as amarguras que a vida não faz escapar. Nem fazia sentido não as ter. Mas é bom ver que já vivemos um bocadinho. Porque é isso. É apenas isso que esses papéis querem dizer.

domingo, 19 de abril de 2009

"Bom dia Alegria!"


- Bom dia Alegria! Andas muito desaparecida! O Sol já vem aparecendo, porque não lhe fazes companhia? Aqui eu não sei o que sentir mas as nuvens não fazem parte da melodia. (...) Vem. Vem esboçar sorrisos brilhantes e olhares emocionados. O calor já cá faz muita falta.