sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

último dia de aulas

É a última vez que tenho um último dia de aulas do 1º Período. Está um frio de rachar e vim a pé do liceu até casa, como normalmente. Com a ausência de iPod, a minha cabeça começa a tocar música por ela própria. Olhei para o céu, preto, iluminado por postes de luz laranja. Nas ruas carros sempre a passar, gente quase nenhuma. De repente, vi o mesmo cenário, todas as mesmas coisas com outros olhos. Tinha voltado ao 8º ano. As roupas completamente diferentes, o cabelo, a altura e o peso também. Lembro-me de passar pelas mesmas ruas, de ver os mesmos postes de iluminação, o mesmo céu negro, de ouvir Bush - Letting the cables sleep, de all star, kispo castanho com pelinhos no capuz, a panca das marcas e a mochila a bater no rabo de cada vez que dava um passo de tão largas que estavam as alças. É tudo o mesmo. A mesma origem e o mesmo destino. O mesmo frio, o mesmo brilho das luzes de Natal apesar de este ano ser quase nenhum, a mesma negridão de céu. É tudo diferente. Os caminhos não são os mesmos porque não vou pelo mesmo. A companhia não é a mesma porque os anos fizeram o favor de a levar. No interior, muita gente atravessou, outra entrou e ficou, outra entrou e saiu mais do que uma vez. Olho para mim naquela altura e olho para mim agora. Há muito que mudei e mudo a cada dia que passa. Apesar das implicações que isso teria, amava voltar atrás no tempo. Tenho saudades do que era e só porque tenho saudades das pessoas que me rodeavam naquela altura.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

pum!

"(...) E dorme em paz/ Que tu não tens de dar o teu sorriso assim/ esgotando o teu juízo assim,/tu não tens de mudar./ Quem te quer mudar,/ não te quer conhecer,/ tu não tens que o fazer"

Não preciso que gostem de mim apesar de não gostar que me detestem. Enfim, há pelo menos um grupo que se mantém firme e o resto não existe.

"Tu pensas que não/ mas tu és mesmo bom/ a ser sempre quem és"

domingo, 7 de novembro de 2010

tired of tears

Sempre desejei sentir como seria ter alguém a brincar comigo durante as imensas tardes em que imitava as vozes dos meus bonecos. Ouvia a cassete do "Papuça e Dentuça" vezes e vezes sem conta, saltando sempre a parte do urso, sozinha no quarto, e via a cassete d'"A bela adormecida" ou "Pocahontas" outras vezes sem conta que até sabia as falas e as músicas de cor, sozinha também. Raras eram as vezes que a minha mãe jogava um qualquer jogo comigo. O meu pai jogava mais mas desligava menos do trabalho. Sempre quis não ter a necessidade de inventar amigos imaginários com quem falava de tudo. Queria uma pessoa. Queria um irmão.
Era engraçado como todas as pessoas que sabiam que era filha única me dirigiam a palavra sempre com a mesma pergunta: e não querias ter um irmão? Ou: já pediste um irmão aos teus pais? E eu dizia sempre o mesmo: queria/já pedi mas... Sabia que não era assim tão fácil, que não era uma cegonha que os trazia de França e que não podia escolher estas coisas. Uma vez cheguei a escolher um nome de rapaz, tinha eu 7 anos. Ia ser rapaz desse por onde desse. Se ao menos tivesse desenvolvido, crescido, sobrevivido... Agora, com mais 10 anos em cima, fui eu quem escolheu o irmão que seria meu por 3 meses. Pus altíssimas espectativas. Não idealizei mas esperei uma ligação forte, uma ligação de irmãos! Pelas redes sociais, as conversas eram fantásticas... Grandes espectativas sobre o tempo fantástico que iria ser. Uma ligação foi-se esboçando... Mas de esboço não passou apesar de uma primeira semana fantástica e que se desenvolveu num dimunuendo... Agora, a 3 semanas de um adeus digo: espero que o próximo irmão, se houver próximo, seja melhor, seja irmão!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

will you do that for me?


"Quem começou com a brincadeira, quem a inventou, foi o Simão. A Marta ainda morava em Benfica. A Elisa era pequena, o Simão abria os braços e dizia-lhe:
- Dá-me um abraço com a força com que gostas de mim!
A Elisa sorria com os olhos, começava a correr e ia pôr-se, com os braços abertos, muito longe do Simão. Ele fingia que chorava com o choro fingido de uma criança, fingia que esfregava os olhos. Depois de a Elisa acreditar que ele já tinha chorado o suficiente, corria para os seus braços e apertava-o com toda a força. Apertava-o até a garganta começar a fazer o barulho de muita força. Nesse momento, parava e o Simão dava-lhe beijos ruidosos nas faces.
Eu sabia que o Simão visitava a Maria. Eu não falava sobre isso, mas sabia. O Simão fez essa brincadeira também com a Ana. O Francisco começou a fazer essa brincadeira com o Hermes e, depois, com a Íris. Quando o Francisco entra em casa da Maria, procura a Íris, abre os braços e diz-lhe:
- Dá-me um abraço com a força com que gostas de mim!"


In Cemitério de Pianos, de José Luís Peixoto

domingo, 31 de outubro de 2010

hallo halloween

Chove. O crepúsculo é negro, tão negro como as almas das pessoas.
A cama murmura o meu nome e as pálpebras pesam mesmo que ainda seja dia.
Não me apetece sair.
Os livros ficam melhor fechados e apesar dos esforços, os neurónios continuam a trabalhar lentos. O corpo arrasta-se.
E agora? Please, "light up my darkness".

sábado, 30 de outubro de 2010

12 days later...


"No I won't, never once, make you cry
Just to kiss, how I'll miss your goodbye"

"Mary" me! < 1+2

sem dúvida o que sinto neste preciso momento!



Eu desisti. Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar,
e sim por não ter mais condições de sofrer.
Bob Marley


End of Story!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

5739



Gostava de poder dizer-te exactamente o que sinto por ti. Como o sol brilha mais, o dia ganha mais cor e eu acordo com um sorriso na cara sempre que sei que nesse mesmo dia estarei contigo. Gostava que percebesses que para mim os contos de fadas só existiam nos livros, os "para sempre" já há muito os guardara na gaveta e estar apaixonada era um estado que só via nos filmes. Mas… Desde Fevereiro que o coração desarrumou definitivamente todos esses pensamentos e não há volta a dar. Não sei porque te amo mas sei que te amo. Verdadeiramente, loucamente e profundamente. Chega?


segunda-feira, 4 de outubro de 2010

honey,

Um dia como os outros, numa casa como as outras, a ver um filme como os outros mas não com uma pessoa como as outras. Qualquer coisa que farei contigo será sempre assim. Pode ser um jantar como os outros, uma noite como as outras mas tu farás sempre com que tudo seja único. Nunca serás um namorado como os outros porque o nosso amor não é como os outros. Obrigada por seres meu!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

M. A.- rido < 3

Há 3 anos prometeste-me sinceridade. Poucos meses depois chamaste-me de melhor amiga. Desde então que o somos.
Nunca vás.

Adoro-te muito melhor amigo.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

yes, we are **




"Maybe I just want to fly
I want to live, I don't want to die
Maybe I just want to breathe
Maybe I just don't believe
Maybe you're the same as me
We see things they'll never see
You and I are gonna live forever"

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

nostalgia


"Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já não me dói
A antige e errónea fé
O ontem que a dor deixou
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia"

Fernando Pessoa

terça-feira, 31 de agosto de 2010

sábado, 28 de agosto de 2010

nunca é demais? pois, mas porque nunca chega...

"Só nós dois é que sabemos
Quanto nos queremos bem
Só nós dois é que sabemos
Só nós dois e mais ninguém
Só nós dois avaliamos
Este amor forte e profundo
Quando o amor acontece
Não pede licença ao mundo

Anda, abraça-me... beija-me
Encosta o teu peito ao meu
Esquece que vais na rua
Vem ser minha e eu serei teu
Que falem não nos interessa
O mundo não nos importa
O nosso mundo começa
Cá dentro da nossa porta

Só nós dois é compreendemos
O calor dos nossos beijos
Só nós dois é que sofremos
A tortura dos desejos
Vamos viver o presente
Tal qual a vida nos dá
O que reserva o futuro
Só deus sabe o que será"

Joaquim Pimentel

sábado, 21 de agosto de 2010

minha C*

Não há amizades perfeitas. Há as boas e as más amizades. As más são aquelas que nos iludem, nos fazem pensar que temos um apoio e uma companhia e quando precisam de nós, lá vamos mas quando precisamos nós, eles já lá não estão. E depois há as boas amizades que não precisam de uma palavra ou outra todos os dias para que se tenha a certeza de que essa pessoa lá está. Às vezes as melhores amizades são as que têm altos e baixos. Não quero dizer que seja mau estar em baixo, apenas significa que as pessoas falam menos.
Desde os jogos de draga minas até agora que vieste de propósito ao Porto para estar comigo e com o Cláudio, foram só 2 anos, é certo, mas parece mais. Nunca duvides que és importante para mim. Tenho tantas saudades tuas! Sabes que podes sempre contar comigo, certo? Adoro-te mesmo, e parabéns Carolina.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

"I'm here without you babe (...)"

Fazes-me tão feliz! Tenho mesmo muitas saudades tuas.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

will you help me out? (...) I guess not... Well, see ya.

São simples conversas, meros dias, momentos imensos que uma pessoa gosta e toma por garantido. Coloca espectativas mas tanta gente diz-se ser o que não é. Pode ser uma ilusão mas dá saudades caramba! Talvez as pessoas queiram mesmo ter amigos de merda. A mim, não me apetece.
All we ever need is love.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

um obrigada adiantado

You don't know how much I love you, how much I need you to be happy or how much I would do for you if I have to. I count on you so much that I feel like you're the only one I can trust. Two weeks may have separated us but even though you were by my side the whole time. I don't know what I like in you but I'm truly, madly, deeply in love with you. Don't regret at all to start so fast because I've never loved like this before. Don't ever leave me and thank you for these (almost) 6 months. You make me happy just by looking. I love you more. < 3

domingo, 25 de julho de 2010

3 anos

3 anos depois, há coisas que continuam iguais. A primeira vez que alguém me fez sofrer e muito por uma amizade foi há 3 anos neste exacto dia. Foi a pessoa que mais me fez sofrer até hoje mas também a pessoa que mais me fez crescer e me abriu os olhos. É certo que sou muito ideal, acredito sempre no melhor das pessoas e por isso, quase todos os dias há alguém que me repete, não lhes dês mais valor, minimiza, relativiza a situação. E isto faz com que quase todos os dias me abram um bocadinho mais os olhos mas aquela vez há 3 anos foi o início.
Continuo com a mesma dor, lembro-me de tudo como se fosse hoje. Escrever até deve ser dar muita importância ou talvez uma prova que por breves momentos já me apeteceu resolver tudo porque sem dúvida que nunca me esqueci de tudo o que aconteceu. Cada mensagem, cada pessoa, cada merdinha ficaram marcados. Apagar é ainda mais dificil do que um pedido de desculpas pessoal seguido de uma conversa que por si só já implica coragem mas, acima de tudo, implica pôr o orgulho de lado! O quanto eu ouvi esta expressão naqueles dias.... Durou quase dois meses, uma pseudo-perseguição. Eram mensagens, eram pessoas a vir falar comigo, eram comentários contra mim numa foto de hi5, até ameaças, até me queriam bater por mais de uma vez. Perdi amigos. Mas ganhei outros que nunca me deixarão. Foi um filtro interessante. E foram 3 as pessoas que sem elas, não teria consegido voltar ao meu normal: Gato, Jorge e Leona. A eles devo imenso!
Não espero pedido desculpas sem ser anónimo, pessoalmente. Se gostava? Toda a gente gostava que assim fosse. Não sou burrinha mas há coisas que tem maneiras mais correctas e eficazes de serem resolvidas.
Ah e se agradeço o crescimento, a mudança toda de maneira de pensar até aos amigos? Admito, obrigada, mas acho que não era preciso tanto para ter o mesmo efeito.
Decidi escrever não só porque me lembro muitas vezes disto mas também porque vejo as pessoas e o passado perto. Foi o meu desabafo e assim termino pois só voltarei a falar no assunto quando, quiçá, num futuro longinquo, haja alguma alteração numa destas histórias da bagagem da minha vida.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

perdoar é algo tão relativo

"We take what we're given
Just because you've forgotten
Doesn't mean you're forgiven
"

dói deixar o tempo passar, não dói? pois também eu tenho saudades de muita coisa mas não sei se quero ter tudo isso de volta. há coisas que passam porque não há maneira de ficar. a maioria é assim.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

terça-feira, 13 de julho de 2010

SEBASTIANAS

Cheguei. Comi. Estendi a roupa como a mãe pediu. Agora vou dormir. Amo-te amor da minha life, obrigada grupo *

quinta-feira, 8 de julho de 2010

"quem é que shrekou esta cena?"

"E viveram felizes para sempre."
De repente sinto um paralelismo entre o filme e a vida real.
Final chapter.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

happy birthday my love*

I love you, all the time
< 1+2

quarta-feira, 23 de junho de 2010

quase quase férias

Junho: 13 - Espectáculo no Campo Alegre; 17 - Exame de BG; 22 - Exame de FQ; 23 - Exame grau 8 pela Royal Academy of Dance (London).
E ainda me disseram que devia desistir do ballet porque não ia aguentar a pressão do 11º...
Dá-me um gozo enorme acabar o ano, ter subido à maioria das disciplinas num ano de exames nacionais e no qual fiz dois graus de ballet no mesmo ano. Pois consegui. Agora falta um teatro e um espectáculo e aí sim estarei de férias.
Nunca estudar e dançar me deram tanto tanto gozo.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

exames, um problema que toca a todos

Para além das provas que temos que dar ao longo do ano, com testes intermédios e sem férias para estudar para eles, com um horário de carga estupida como 3 dias manhã e tarde e 2 tardes, ainda temos que provar que dominamos matéria de 2 anos, o equivalente a 4 livros. Claro, na faculdade é pior, blá blá blá, apesar de menor carga horária, mais para estudar. Pois bem, eu só me posso queixar do que se passa comigo e quando lá chegar, farei os meus comentários. O que é certo, e isto não há possível refutação, isto é f*****.
Um feito, um por fazer. A cabeça dói, o corpo pede descanso e é tão fácil deixarmos de estudar... Tenho mais medo do que está para vir mas tenho que ir na desportiva até porque posso sempre repetir. Quero férias!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

ballet


Depois dos dias mais intensos de treino, é simplesmente incrível o que o corpo humano consegue aguentar. A valsa em pontas mais difícil que tinha de fazer era depois de uma valsa em conjunto, sendo a outra um dueto. Nos bastidores todas nos queixavamos de dores nos pés. Já tinha feito um dueto em pontas e ainda ia fazer depois uma dança húngara extremamente cansativa. Dias intensos, semanas a treinar o mesmo e ainda assim tudo saiu como previsto, até acho que foi das vezes que correu melhor. E pensar que tinha no público família quase toda, ex-professoras e, claro, o namorado. Fazer um bom trabalho é importante e sabe muito bem, mas a recompensa sabe ainda melhor. E acabamos assim o dia, a pensar que somos capazes de fazer tudo o que queremos só porque queremos e temos os meios de lá chegar.
Um agradecimento bem especial ao "gajo mais feliz à face da Terra".

quinta-feira, 10 de junho de 2010

semana do "dormir-dançar-comer-estudar" - parte 2 (dia 10)

Apesar de ter o ballet a ocupar muito do meu tempo, o estudo vai andando devagarinho. Demos graças aos testes intermédios pois sem eles não podia estar assim calma. Mas, no meio da Geologia de 10º, aparece o estudo da formação do Sistema Solar e a hipótese nebular: os planetas, os asteróides, os meteoritos, sistema Terra-Lua. E aparece uma imagem que me fez lembrar tempos de infância.

"- Quero seguir astronomia.
- Porquê? Isso é tão secante..."

Conto sempre a mesma história. Quando era miúda, tinha um atlas em casa. Um livro grande de capa dura e escura que no início tinha fotografias e explicações sobre o Big Bang, o Sistema Solar, a Terra. As fotografias do Big Bang não me diziam nada, ao contrário do que a teoria agora me faz mas o Sistema Solar... Ficava "tempos infinitos" a olhar para aquela fotografia numa altura em que Plutão ainda era planeta principal (raiva à 26ª Assembleia-Geral da IAU). O fundo negro, as cores dos planetas e do Sol e o desconhecimento completo do que seria aquilo que estava naquela fotografia aguçaram a minha curiosidade. Sempre adorei mistério. E é a esse sonho que me prendo.
Digo sonho porque, se pensar bem, não sei se quero. Não me dei a 100% com Física este ano mas o maior problema é o depois do curso. Paris (ESA)? EUA (NASA)? Portugal não tem futuro com certeza. A solução para estas dúvidas é esquecê-las. Nunca ninguém se prende a um só sitío. Mudamos de escola, mudamos de casa, mudamos de trabalho, mudamos de cidade ou de país. Se algo nos puxa, porque não ir atrás? Quando lá chegar, tomarei uma decisão e que, sem dúvida, será intensamente pensada...


Eis uma fotografia do tal atlas com a tal imagem do SS.

semana do "dormir-dançar-comer-estudar" - parte 1 (dia 8)

Sem dúvida que está a ser uma semana complicada... O 11º1A chegou ao fim e apesar de todas as contrariedades que nos separaram e juntaram durante o ano, há pessoas das quais não queria nada separar-me delas. Pessoas que me aturam todos os dias há já 11 anos seguidos (é dose), pessoas que este ano se tornaram dos melhores amigos que alguém pode ter, pessoas que mesmo não falando todos os dias, lá estão com um sorriso para nós. É espantoso como uma mera turma da qual muitas vezes me desiludiu, fique parcialmente marcada pela positiva. Enfim, mais vale poucos e bons! O teatro, o liceu, não nos vamos separar assim tanto mas não vai ser a mesma coisa... Ema, Paulo, Catarina, Guilherme, Letícia, Adriana, Laura, Pedro e até o Fred. São fases pelas quais temos que passar e para o ano é que vai ser a derradeira despedida.

domingo, 6 de junho de 2010

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Dia 1 & 2

Parafraseando Raúl Solnado: "Tenho dois discursos: o discurso pequeno e o discurso grande. O discurso pequeno é: Obrigado. O discurso grande é: Muito Obrigado."
Nada mais preciso dizer porque realmente fizeram-me sentir a pessoa mais feliz do mundo *

sexta-feira, 28 de maio de 2010

i (do) feel like dancing



Dançar faz-me cada vez melhor...



(13 de Junho, Teatro do Campo Alegre; 27 de Junho, Auditório da Biblioteca Municipal Pfr)

domingo, 23 de maio de 2010

gdfcvbnl.kjkf


Dia 5 promete...
Dia 1 também...
Dia 29 também e por vários motivos até...
Será que todos os dias são agora testes às nossas capacidades físicas e emocionais?
Everything changes in a blink.
And when comes the end of the day,
specially the end of the day...
Well...
"They it changes when the sun goes down around here."
You know why?
Because for "me and you
and all the things we do",
"everything is in order in a black hole".

sexta-feira, 14 de maio de 2010

e companhia?


-"Sabes como é, de período andamos sempre mas uns dias nota-se e outros dias supera-se." -digo eu. E escrevo na fita da minha prima:

-"Life is not about waiting for the storm to pass. It's about learning how to dance in the rain."

quinta-feira, 6 de maio de 2010

queima

Uma noite, nada de mais. mas de um turbilhão de sensações. Gostava de voltar atrás ou de viver mais outra, mas essencialmente de voltar atrás. O facto de se ter muito que estudar come a cabeça melhor que uma enxqueca. Mas nada como uma noite melhor que Sebastianas. Foi o concerto (Franz Ferdinand pela 3ª vez :') ahah), foram as pessoas que lá estavam e que encontrei e as que gostava e ter encontrado. Dá saudades de outros tempos, daquela gente de Braga e de aulas de ballet do ano passado. Quem diria que algo mudasse tanto em tão pouco tempo bem como ficasse exactamente igual.
Quero é fazer um reset, para ver se me acalmo...

sábado, 1 de maio de 2010

one down, just one more to go! (and then the finals but that's another story)


e sim, é para o Paulo que ele é um chato e não tem gostos nenhuns decentes de tal maneira que é parecido comigo a ponto de lhe dedicar esta song porque ele acaba por ser bom rapaz e atura-me apesar de tudo ;)

quinta-feira, 22 de abril de 2010

segunda-feira, 19 de abril de 2010

1 a.m.

Quanto mais muda, mais fica igual. Não quero um para sempre que não exista, quero um agora que contenha duas amizades muito especificas, sem tirar valor ao namorado e a mais umas tantas que nem sempre sei quantas são. Por agora, contento-me com uma esperança pela qual vou lutar que se concretize e pelas pequenas alegrias do dia-a-dia. Sinceramente, e sobre isto sempre fui, eu só quero ser feliz.

sábado, 17 de abril de 2010

"eccessiva fiducia in se stessi"

"Enquanto não cais, eu sei
que enquanto não for, não vens.
Faz medo não ser igual,
faz medo mudar de mão,
faz medo dizer que não,
mas podes tentar..."

sábado, 10 de abril de 2010

forever young

"Hoping for the best but expecting the worst,
are you going to drop the bomb or not?"

terça-feira, 30 de março de 2010

< 1+2

"- A culpa não é da chuva, se ficares com dores de ouvidos...
- A culpa é da vontade que tenho em te abraçar."

segunda-feira, 29 de março de 2010

big fat love < 3


Tenta-se descrever por palavras, mas as palavras não chegam.
Diz-se que se ama, mas amar é pouco.
Não existem palavras porque a definição de perfeição não consegue albergar tanto.
Cada noite, cada chamada, cada olhar e cada beijo.
Apenas... <1+2

sábado, 27 de março de 2010

segunda-feira, 22 de março de 2010

we are in wonderland





"- Sabes porque é que um corvo se parece com uma secretária?

- Não faço a mínima ideia."

sexta-feira, 12 de março de 2010

1









(nada mais tenho a dizer)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

1º vício mais recente












"you take me the way I am"

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

domingo, 21 de fevereiro de 2010

pôr uma pedra no assunto


A vida é extremamente cíclica. Sem notar, iniciamos uma vida académica, uma vida social e uma vida amorosa. Quando um ano lectivo acaba, logo vem outro atrás. Quando saímos de algum trabalho, depois outro nos emprega. Quando uma amizade acaba, já outra nos apoia e ajuda a recuperar. Quando um amor acaba, entretanto vem outro para nos deixar nas nuvens. Quando fechamos um capítulo, estamos a iniciar um novo. E a vida resume-se a estes altos e baixos. Por vezes uma estabilidadezinha que até nos faz sentir como se não existíssemos porque não pensamos ou duvidamos.


São capítulos que nos acompanham ao longo de toda a vida. É impossível esquecer completamente algo que um dia já foi a nossa razão de sorrir e de viver. Seja o que for, uma marca, uma página resiste para contar a história, para se aprender. E não se deve parar de viver e parar de sentir só porque o tempo demora tempo. A vida é demasiado curta para pausas e esperas tão grandes. E agora ponho uma pedra neste assunto.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

domingo, 14 de fevereiro de 2010

it's the carnival


Gente importante, hem? (L)

sábado, 13 de fevereiro de 2010

é tão bom ter amigos assim!







Como eu vos amo Máscaras!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

bons bons tempos de amizade... será que voltam?

"yes man"




"The world is a playground.
But somehow we forget that over time."

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

eu fui carago!

Arctic Monkeys, Coliseu do Porto, 02-02-2010.

Foi lindo!

sábado, 30 de janeiro de 2010

unchain my heart







"Para sempre é muito muito tempo, e o tempo tem um jeito de mudar as coisas."

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

repito:


"Só sei que nada sei."

sábado, 16 de janeiro de 2010

pessoas



5ªf, por volta das 16h, um amigo meu disse-me:

"- a natureza humana é fodida, não é?"



Pois é.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

tempo

Tempo.
O que mais temos e o que nos faz mais falta.

domingo, 10 de janeiro de 2010

sábado, 9 de janeiro de 2010

mantinha de retalhos take 2




Gostava de me sentir inspirada para poder escrever umas palavras bonitas que representassem as minhas ideias, de vez em quando. De vez em quando gostava de dizer "hoje vou estar bem" e o dia correr fantásticamente. Tudo se torna mais estranho quando estranhos estamos devido à estranheza de outrem. Bem que gostava de não depender em nada de pessoas...

Há muitas coisas que eu também gostava. Gostava de ver a Terra do espaço. Gostava de viajar por todo o mundo. Gostava de não ser preguiçosa. Gostava de ser mais culta. Gostava de ir de facto trabalhar para a NASA e dar aulas de ballet em part-time. Gostava de ter uma máquina analógica, uma fish-eye e uma profissional que me motivasse para a fotografia. Gostava que certas pessoas com as quais convivo todos os dias tivessem mais conversas sérias porque uma dia temos mesmo de crescer. Gostava que não existisse aquecimento global nem políticos corruptos, egoístas e só querem dinheiro. Gostava que as pessoas não fossem tão quadradas, umas pensam muito nelas outras pensam demasiado nas outras e não sei se existe meio termo. Gostava de viver ao pé da praia e ver o mar todos os dias, por muito banal que se tornasse. Gostava de não envelhecer, estabilizar numa idade à escolha e assim com todo o mundo. Gostava de refazer alguns dos meus dias adolescentes. Gostava que as pessoas não me esquecessem, quer eu viva ou não. Gostava de saber mais coisas que gostava que acontecessem mas acho que a pseudo inspiração fugiu. E por fim, gostava de não ter escrito nada disto porque isto não faz sentido nenhum.

domingo, 3 de janeiro de 2010

aspiro para 2010

(inspiração: Pina Bausch)